Sonhando com o fim do preconceito

Nosso mundo passou por diversos momentos onde grandes pessoas lutaram por coisas, a princípio, inaceitáveis. Assim foi pela igualdade entre negros e brancos, pelos direitos dos homossexuais e atualmente estamos na etapa da aceitação dos transexuais. Que maravilha ver como a sociedade evoluiu, mas triste de pensar o quanto algumas pessoas sofreram nesse processo.

Uma luta diária pelo simples direito de viverem como bem entendem, de serem com a sociedade como se enxergam. A proposta não é atrapalhar o espaço de ninguém, muito pelo contrário, o problema é o preconceito e a desaprovação dos outros quanto ao que desejam fazer com o seu próprio corpo. Várias biografias foram Caitlyn Jennerpublicadas para mostrar à um maior número de pessoas sobre as dificuldades enfrentadas nessas brigas; pessoas que viraram personalidades por assumir uma posição diante destes conflitos. A última pessoa forte o bastante, que passou por isso, foi a linda Caitlyn Jenner, antes Bruce Jenner.

O índice de suicídio de transexuais é gigante, mesmo de homossexuais. As principais causas do ato são relacionadas as reações das famílias e pessoas próximas ao anúncio de sua opção sexual, ou das transformações que pretendem realizar; com agressões físicas e verbais, onde grande parte deles abusam de substâncias nocivas para amenizar a dor da rejeição e do mal-estar causado.

BoysComo pode isso? Dentre tantos problemas que toda a população é obrigada a enfrentar todos os dias, algumas pessoas passam por situações tão absurdas, pelo simples fato de se verem e quererem coisas diferentes. Daqui pra frente, quando pensar em agir de uma maneira maldosa, lembre-se disso. Respeite o espaço alheio, mesmo quando desaprovar sua escolha. Entenda que pela opção tão polêmica (que não deveria mais ser), estas pessoas são obrigadas a sacrificar laços familiares, amizades, trabalhos; só pelo fato de quererem ser felizes, como todo mundo gostaria de ser.

Com muito humor, Thammy Miranda falou sobre o assunto com Rafinha Bastos, na série de programas do canal do próprio, chamada 8 minutos. Uma maneira de expor a discussão onde as pessoas que não possam por isso, não enfrentam uma sociedade preconceituosa, nem podem imaginar.

Este texto é só uma maneira de inspirar as pessoas a olhar o outro lado, o próximo, com mais respeito. “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão  e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.” (Art. 1° da Declaração Universal dos Direitos Humanos)

 

  2 comments for “Sonhando com o fim do preconceito

  1. 21 de agosto de 2015 at 10:26
    • Vivian Rabello
      21 de agosto de 2015 at 15:40

      Muito obrigada pela maneira que se referiu ao texto e o complemento foi ótimo! A conversa é muito complexa e toda a parte mais esclarecida da população tem que comprar esta briga. Espero que o texto ajude, mesmo que seja um pouquinho!
      Beijos Telmo

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: