Deixo ir pra deixar vir

Texto novo da nossa amada Clara!

Ás vezes eu ainda preciso de você. E quando começo a te esquecer, parece que vou perdendo um pouco de mim. Talvez esteja ai a dificuldade de seguir. Medo de perder o que já não tenho mais. Medo de ficar ainda mais distante daquilo que existiu. Pavor de esvaziar o coração.

Na rádio toca a nossa música, eu não chorei. Forcei a lágrima, um suspiro, nada. Confusão de sentimento. Tem alivio, mas tem nostalgia. Me apego num sentimento que havia aqui. Havia.

O processo de se reconstruir é tijolo por tijolo. É se acostumar com o não ter. Entender a presença da ausência. É deixar o que passou sair, pra o que vier poder entrar.

Aprender a desapegar do que no coração não faz mais morada. Lidar com a calmaria da falta de paixão. Se acostumar com noites sem um dorme bem e dias sem bom dia. Aceitar que nem todas músicas de amor são pra mim, pelo que percebi não foi pra você que eu guardei o amor que eu nunca soube dar. Poderia ter sido, mas isso ficou em outros versos.

Recolher os cacos, frustrações, decepções é trabalho duro e sem pressa. Prefiro assim, sem urgência. Deixo ir pra deixar vir, no meu tempo. Da forma que o coração pede. Com calma garota, ainda ter ferida pra cicatrizar. E a cabeça me diz num sussurro que vou indo bem.

Sigo tranquila, abrindo espaço pra quem me quer bem. Sem um pouco do que fui. Com muito do que ainda serei.

Clara Ferreira

A Clara é de Belo Horizonte e quem quiser acompanhar mais do trabalho dela, visite sua página no facebook, chama “Eu e as minhas circunstâncias” , segue link:

https://www.facebook.com/blogdaclara?fref=ts

  1 comment for “Deixo ir pra deixar vir

  1. Fernanda
    6 de maio de 2015 at 13:20

    Ótimo texto! Coloca em palavras vários pensamentos….

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: